LOGIN:

Digite seu email:
Senha:
Esqueceu a senha? Cadastre-se grátis


Plano de emagrecimento

FERRAMENTAS
& TABELAS


PLANO DE
EMAGRECIMENTO
SUADIETA

Plano de Emagrecimento

faixa_saude.png

OBESIDADE FEMININA: QUANDO OS QUILINHOS A MAIS INDICAM PROBLEMAS

Obesidade feminina: quando os quilinhos a mais indicam problemas
Especialista fala sobre hormônios, importância do diagnóstico e tratamento correto da doença.
Imprimir
enviar por email
Compartilhe:

Quem nunca ouviu ou disse a frase “Preciso perder alguns quilinhos”? O clichê, dito com maior frequência pelo público feminino, evidencia a insatisfação com o próprio corpo e o desejo de adquirir a forma “padrão” e “perfeita” cultuada nos dias atuais. No entanto, existe uma parcela da população que convive com um problema real- a obesidade.

Segundo a pesquisa Vigitel 2014, divulgada pelo Ministério da Saúde, 17,9% da população brasileira está obesa e o excesso de peso atinge 52,5% da população adulta do país. Ainda segundo a estatística, os quilos a mais são fator de risco para doenças crônicas, como as do coração, hipertensão e diabetes, que correspondem a 72% dos óbitos no Brasil.

Para o médico e gestor da B2Saúde, Francisco Vignoli, além dos danos no organismo, problemas osteomusculares, dores na coluna e desequilíbrio hormonal, a obesidade causa problemas ligados à saúde psicológica da mulher. “A mulher obesa está mais propensa a adquirir problemas psíquicos. Aceitação, realização e exposição do próprio corpo tornam-se um grave problema para esse público. A relação sexual com o parceiro também se torna algo difícil, ou seja, quando falamos em obesidade da feminina, estamos falando de um processo infinito”.

Segundo o especialista, o ideal é manter o IMC (Índice de Massa Corporal) dentro dos padrões normais. “Independentemente da questão estética, a obesidade não é um fator saudável e deve ser evitada. A mulher deve tratar o peso como uma grande régua ao longo da vida. O IMC é um ótimo índice para manter esse equilíbrio, pois transmite uma boa margem de segurança”, ressalta o especialista.

Como identificar e tratar a obesidade

O ganho de peso pode acontecer por quatro motivos: problemas hormonais, falta de atividade física, má alimentação ou herança genética. Segundo Vignoli, ao identificar os quilos a mais na balança a mulher deve procurar um médico endocrinologista e relatar o problema. “O especialista fará exames para detectar se existe alguma alteração hormonal, taxas de tireoide, colesterol e diabetes. Se o sobrepeso for por algum desses fatores, serão indicados os medicamentos necessários para o controle da doença e consequentemente da gordura corporal”.

Se as doenças endócrinas forem descartadas e a causa da obesidade for por consumo de calorias em excesso e má educação alimentar, o tratamento será realizado com acompanhamento de nutricionistas. “Os nutricionistas de hoje são brilhantes, pois existe um alto nível de qualificação e ótimas orientações. Vale lembrar que essa tarefa deve incluir a prática de atividades físicas regulares”, ressalta o especialista.

Ainda segundo Vignoli, “a mulher é feita de múltiplas cascatas hormonais” e controlá-las é uma tarefa difícil, além disso, o uso de pílulas anticoncepcionais geram retenção hídrica, causando certas disfunções que acarretam obesidade.

“Outra questão que devemos ressaltar para as mulheres é que a faixa pós-gravidez é bem suscetível para desencadear o problema. Nesse período existe uma mudança no eixo metabólico pós-gravidez e por isso a faixa pós-gestacional tem maior tendência à obesidade”.



ATENÇÃO!

Todas as informações sobre dieta, serviços de dieta e atividades físicas oferecidos pelo Suadieta não substituem a dieta, o acompanhamento e as atividades físicas prescritos por profissionais de saúde como: médicos, nutricionistas, psicólogos e profissionais de educação física, respectivamente.

A dieta proposta pelo Suadieta é pessoal e intransferível, ficando o usuário responsável por qualquer divulgação da dieta a terceiros.

© Suadieta - Todos os direitos reservados

Servidor:APP